Pesquisar
Close this search box.
Pesquisar
Close this search box.

Notícias e artigos

Segurança pública é destaque na reunião de diretoria da Facisc

Recepcionados pelo presidente Ernesto João Reck, os integrantes da diretoria da FACISC reuniram-se nesta terça-feira (28/6), em Florianópolis. O encontro iniciou com a apresentação do vice-presidente de Soluções Empresariais, que mostrou os resultados e inovações das Soluções Empresarias, como por exemplo, a Convenção das Soluções e a Boa Vista SCPC.

A vice-presidente de educação empreendedora, Neiva Kieling, fez um breve relato das ações realizadas na CACB com a condução do Conselho Nacional da Mulher Empresária (CNME), como por exemplo, o movimento para a criação do Dia Nacional da Mulher Empresaria e a integração das empresarias de todo o País. “Temos uma grande vantagem em SC que é o programa Empreender que nos auxilia com uma metodologia eficiente e através da nossa experiência podemos fazer acontecer em todo o Brasil”, destacou Neiva.

Vice-presidente da Facisc, André Armin Odebrecht, elogiou as iniciativas e destacou a importância e o compromisso que o associativismo tem com o reconhecimento das mulheres em todo o país.

Ricardo Fontes Schramm Junior, presidente do Cejesc, também falou sobre a missão internacional da Conaje, que levará jovens empresários ao G20 na China.

Representando o secretário César Grubba, o secretário adjunto de segurança pública, Aldo Pinheiro D´Avila, apresentou aos diretores um panorama da segurança no Estado, expondo os números dos efetivos de policiais, salários, equipamentos, aparatos tecnológicos, projetos, investimentos, obras e outros projetos estratégicos desenvolvidos para a ampliação da segurança. “As polícias de SC são as mais bem pagas do País”, destacou D´Avila.

Em relação ao número de homicídios, o secretário adjunto expôs que o Estado ocupa uma posição um pouco diferenciada dos demais estados do país. “Dos 295 municípios de SC, 209 não tem nenhuma ocorrência de crime. Santa Catarina tem índices de resolução de homicídios próximos aos dos Estados Unidos. Mas teríamos que dobrar o efetivo para ter uma situação de primeiro mundo”, informou.

Fonte: Facisc

Confira os mais recentes